Precisa de ajuda?

(62) 9 8477-2963

Entre em contato:

comercial@institutolg.com.br

7 problemas de amamentação no primeiro mês

problemas de amamentação - mulher amamentando filho novo

Amamentar é uma técnica que se aprende, assim como dirigir, e nos primeiros meses algumas mães e bebês podem ter alguns problemas de amamentação no início.

Demora tempo e é necessário praticar, até a mãe e o bebê sentirem que é algo instintivo. No entanto, é preciso que a mãe tenha conhecimento e saiba lidar com os possíveis problemas que possam acontecer no início da amamentação.

Por isso, selecionamos algumas dicas para superar as mais comuns dificuldades de amamentação que as mães sentem do final da primeira semana até ao final do primeiro mês.

Acompanhe!

Problemas de amamentação no primeiro mês: como resolvê-los?

mitos e verdades sobre amamentação

1. Rachaduras no bico do seio

O bico do seio fica rachado é um dos problemas de amamentação que muitas mães enfrentam ao começarem a alimentar seus bebês. 

Dessa forma, ela sente muita dor e, por ser um machucado, onde está rachado sangra. Esse problema pode ter causa no ressecamento do mamilo ou pela posição errada de amamentar o bebê. A condição pode acontecer nas primeiras semanas após o parto. 

Como resolver?

Se a mãe não aguentar a dor, deve retirar o leite com uma bombinha ou manualmente e oferecer de colher ao bebê, até que o mamilo melhore ou que consiga suportar a dor ao amamentar. 

Do mesmo modo, outras soluções são os bicos de amamentação, que diminuem a dor provocada pela sucção e pomadas com lanolina em sua formulação, que ajudam a cicatrizar o mamilo. Além disso, ajudar o bebê fazer uma pega correta enquanto amamenta é fundamental. 

2. Leite empedrado

Quando o leite materno não sai, acaba empedrando. Isso acontece porque o ducto da mama entope. Nesses casos, a mulher percebe um nódulo na mama, como se fosse um caroço, e a pele fica avermelhada no local. 

Como resolver?

Fazendo massagens nos seios para que o leite saia e também para evitar a mastite. Da mesma forma, sempre ter o cuidado de usar roupas largas e sutiãs que sustentem bem os seios sem apertá-los, para evitar o entupimento dos dutos.

3. Ingurgitamento mamário

Ingurgitamento mamário é o nome dado ao inchaço e endurecimento dos seios. Isso acontece quando há produção de leite em excesso e pode acontecer a partir do 2° dia depois do parto. 

Quando acontece, a mulher fica com a mama avermelhada, a pele fica esticada e brilhante e a amamentação se torna um pouco dolorosa, pelo inchaço do seio.

Como resolver?

Dar de mamar sempre que o bebê quiser, dessa forma a mama é esvaziada. O que ajuda bastante é aplicar água fria, no banho ou em forma de compressa, logo após cada mamada. Isso ajuda a aliviar a dor e o inchaço. 

Quando o problema não é resolvido, pode acabar ocorrendo uma infecção. Os sintomas são mal-estar e febre alta. Nesse caso é preciso ir ao médico para que ele diagnostique e prescreva a medicação correta. 

4. Bico do seio invertido ou plano

Ter o bico do seio invertido ou plano não atrapalha tanto a amamentação, pois o bebê precisa abocanhar a aréola e não o bico do seio. No entanto, essa inversão pode atrapalhar a pega

Como resolver?

Estimular o mamilo antes das mamadas ajuda a deixá-lo mais visível. O estímulo pode ser feito com a bomba de tirar leite, de 30 a 60 segundos antes da amamentação. Porém, se essa técnica não surtir efeito, é possível usar bicos artificiais que são aplicados sobre o seio e que ajudam a amamentar. 

5. Pouca produção de leite

Listamos a produção de pouco leite, mas isso não deve ser visto exatamente como um problema, pois não põe em causa a saúde da mulher nem do bebê. É claro que há maneiras de aumentar a produção de leite materno e que é importante ao bebê devido ao seu alto poder nutricional. Leia mais sobre este tema neste post: 5 dicas para estimular o leite materno

No entanto, caso não seja possível, o pediatra pode indicar o uso de leite artificial.

Como resolver?

Para aumentar a produção de leite, deve-se deixar o bebê mamar sempre que ele quiser e por quanto tempo ele quiser. Por isso, a mãe deve oferecer os dois seios a cada mamada. A mãe também deve aumentar o consumo de alimentos ricos em água, como tomate ou melancia, por exemplo, e beber 3 litros de água por dia ou chá. 

6. Posições desconfortáveis

É preciso que o bebê esteja confortável para ter uma boa amamentação. Às vezes demora um tempo até que se encontre a melhor posição tanto para o bebê quanto para a mãe. 

Como resolver?

Estar sempre atenta à forma como segurá-lo durante a amamentação e experimentar posições até que encontre a ideal. 

7 – Cansaço

Cansaço, stress, ansiedade…isso também pode estar entre os problemas de amamentação. Principalmente nas primeiras semanas, o ato de amamentar pode ser bastante cansativo, mas logo a mãe acostuma à nova rotina.

Como resolver?

Descansar sempre que possível, se alimentar regular e saudavelmente e beber bastante água. 

O apoio de profissionais capacitados para evitar problemas de amamentação

Profissionais de saúde com capacitação em aleitamento materno podem mães e futuras mamães no preparo e aspecto prático da amamentação, com cuidados, dicas e todo tipo de ajuda necessária.

Para dar sua contribuição na preparação desses profissionais, o Instituto LG, em parceria com a PUC Goiás, oferece um  curso de especialização na área, a Pós-graduação em Nutrição Materno-infantil com Ênfase em Aleitamento Materno.

A certificação é feita pela PUC Goiás, uma das instituições de ensino superior mais renomadas do país. 

Esperamos que tenha gostado do post de hoje, que nossas informações tenham ajudado e que seu interesse nessa especialização tenha despertado.

Comente e compartilhe o post em suas redes sociais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos:

Categorias

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você autoriza NOME DO SITE a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.