Precisa de ajuda?

(62) 9 8477-2963

Entre em contato:

comercial@institutolg.com.br

Fitoterapia: o que é e quais benefícios

fitoterapia - vidro caído com cápsulas e folhas verdes

A Fitoterapia é muitas vezes confundida com o uso de plantas medicinais in natura, o que não é. 

Fitoterapia é quando a planta medicinal é manipulada ou industrializada com a finalidade de se obter um medicamento, chamado fitoterápico. Esses medicamentos são regularizados pela Anvisa antes de serem comercializados. 

O processo de industrialização, a transformação da planta em medicamento, ocorre para evitar contaminações e para padronizar quantidade e forma de uso e dar embasamento aos profissionais qualificados a prescrever essa medicação. 

Esse cuidado é importante, pois apesar de os fitoterápicos serem de origem natural, é preciso que sejam indicados por especialistas da área da saúde.

Vamos aprofundar um pouco mais no tema? Apontamos neste artigo alguns pontos essenciais sobre fitoterapia e sua utilização como prática integrativa e alternativa. 

Acompanhe!

Afinal, o que é fitoterapia?

Fitoterapia é uma técnica que pesquisa e analisa as funções terapêuticas das plantas e vegetais e seu uso na prevenção e tratamento de doenças. 

Vários profissionais da saúde são capacitados para indicar fitoterápicos aos seus pacientes, com o objetivo de melhorar o organismo, ajudar no combate de doenças e atuar na prevenção de problemas de saúde.  A Fitoterapia está, inclusive, entre as práticas integrativas e complementares do SUS. 

Todo produto farmacêutico, seja extrato, tintura, pomada, ou cápsula, que utiliza como matéria-prima qualquer parte de uma planta com conhecido efeito farmacológico, pode ser considerado um medicamento fitoterápico. 

Como funciona a Fitoterapia?

A Fitoterapia funciona, conforme já dissemos, a partir do uso de plantas e vegetais na fabricação de medicamentos. Mas o que ainda não dissemos é por que ou como isso acontece. 

As plantas produzem naturalmente substâncias para o seu próprio desenvolvimento. Seu crescimento, reprodução ou defesa contra adversidades ambientais: tudo isso desencadeia na produção de compostos ativos que apresentam importantes efeitos terapêuticos para o corpo humano. 

Esses compostos permitem que sejam descobertos benefícios em sua utilização como medicamentos fitoterápicos, manipulados ou industrializados. Há também a opção da planta in natura, como os chás.

Lembrando que esses compostos bioativos passam por um processo de ensaios, análises e acompanhamento de órgãos de saúde para assegurar o seu uso adequado e seguro.

Quais são os benefícios da Fitoterapia?

Além da positiva atuação nos tratamentos de saúde, a Fitoterapia apresenta outros benefícios, como a composição natural, a biodiversidade disponível e menos efeitos colaterais. Acompanhe a seguir mais detalhes de cada um deles.

Composição

A fitoterapia conta exclusivamente com substâncias de origem vegetal para a composição de medicamentos fitoterápicos, sem componentes sintéticos.

Biodiversidade

As inúmeras espécies de plantas e alimentos de origem vegetal abrem possibilidades para a descoberta de novos ativos e soluções fitoterápicas. O Brasil, por exemplo, apresenta uma grande diversidade de vegetais, o que fomenta o desenvolvimento da técnica e oferece mais opções a serem disponibilizadas.

Menos efeitos colaterais

Se é natural, não faz mal? Não é bem assim. O consumo de medicamentos fitoterápicos, bem como de plantas medicinais in natura, é muitas vezes estimulado pela crença popular de que “se é natural não faz mal”. 

Porém, ao contrário da crença popular, eles podem causar diversas reações como intoxicações, enjôos, irritações, edemas (inchaços) e outros problemas, como qualquer outro medicamento.

Por isso, reforçamos mais uma vez: somente pessoas capacitadas podem prescrever esse tipo de medicamento.

Esse, aliás, é nosso próximo tópico. Vamos te contar quem pode se capacitar em Fitoterapia.

Quem pode atuar com Fitoterapia?

Veja quais profissionais podem se especializar em Fitoterapia e oferecer tratamentos com essa prática integrativa, complementar ou não a tratamentos da medicina tradicional. 

 Farmacêutico 

O Conselho Federal de Farmácia regulamenta que o farmacêutico pode prescrever medicamentos fitoterápicos, desde que não sejam os restritos à prescrição médica, que estão listados no Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira/2016 da ANVISA.

Apesar disso, é importante que esse profissional tenha em seu currículo uma especialização específica. Além de ser ótimo para sua carreira, o ajuda muito em sua função no atendimento ao púbico.

Médico

Apesar de a Fitoterapia não ser reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina, é considerada uma alternativa a tratamentos terapêuticos, sendo inclusive,reconhecida pelo Ministério da Saúde para isso.  

Sendo assim, médicos podem prescrever inúmeras plantas medicinais e nas mais diversas formas farmacêuticas.

Médico veterinário

Esses profissionais podem prescrever fitoterápicos a seus pacientes, desde que a planta medicinal seja indicada ao uso veterinário.

Nutricionista

O Conselho Federal de Nutricionistas regulamenta que esses profissionais podem prescrever fitoterápicos e plantas medicinais na forma de infusão, decocção e maceração.

No entanto, somente o nutricionista pós-graduado em Fitoterapia pode prescrever outras formas, como de fitoterápicos por via oral, como extrato seco, extrato seco padronizado, xaropes, tinturas, extratos fluídos, alcoolatura, dentre outras.

Biomédico

O Conselho Federal de Biomedicina regulamenta que o biomédico pode exercer qualquer uma das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, desde que tenha um certificado de curso reconhecido e com carga horária mínima preestabelecida (360h). 

Dentista

O Conselho Federal de Odontologia reconheceu o emprego das plantas medicinais por este profissional, regulamentando o uso de fitoterápicos. 

Enfermeiro

O Conselho Federal de Enfermagem reconhece as Práticas Integrativas e Complementares como uma especialidade da Enfermagem. Dessa forma, o profissional pode prescrever plantas medicinais e fitoterápicos, seguindo orientações da Lei do Exercício Profissional  e de protocolos institucionais.

Fisioterapeuta

O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional regulamenta que fisioterapeutas prescrevam fitoterápicos, desde que a indicação esteja de acordo com seu campo de atuação. 

O Conselho Federal de Biologia habilita o profissional para atuar nas Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, mas, para prescrever fitoterápicos precisa se especializar. A carga horária estipulada é de 360 horas. 

A especialização em Fitoterapia

A prescrição de fitoterápicos e plantas medicinais pelos profissionais da saúde deve ser pautada em estudos científicos que garantam sua eficácia e segurança. 

Por isso, é essencial que esses profissionais se especializem. O Instituto LG tem a capacitação certa para esses casos: a Pós-graduação em Fitoterapia Aplicada

Essa especialização tem a certificação da PUC Goiás, uma das mais tradicionais e renomadas instituições de ensino do país, conteúdo de qualidade e professores altamente capacitados.

Entre em contato conosco e saiba mais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos:

Categorias

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você autoriza NOME DO SITE a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.