Comportamento alimentar e funcional, entenda por que você deve adotar essas metodologias em seu consultório
Woman in the white coat nutritionist writes a healthy diet program for weight loss.

Comportamento alimentar e funcional, entenda por que você deve adotar essas metodologias em seu consultório

Conheça um pouco mais sobre Comportamento Alimentar e Funcional

Cada vez mais surgem dietas ou “tendências” que colocam um ou outro alimento na posição de saudável ou não saudável. O comportamento desencadeado por essa forma de se alimentar passa a transformar a comida em vilã, já que as pessoas passam a enxergar a comida como um conjunto de calorias, conturbando a relação com o alimento.

Dessa forma, o prazer em comer desaparece, e com isso nasce uma parcela de pessoas que esquecem que o problema não é o alimento, mas a relação que se estabelece com ele. E é justamente nesse  ponto que o comportamento alimentar e funcional atua.

A nutrição funcional e comportamental não visa estritamente a mudança de medidas dos pacientes, mas sim suas qualidades de vida e bem-estar. A proposta consiste em atrelar alimentação equilibrada com a rotina do paciente, sem gerar grandes impactos.

O que é a comportamento alimentar?

Apesar da grande quantidade de informações sobre alimentos e dietas, as pessoas continuam enxergando a comida como grande inimiga. O comportamento alimentar tem como objetivo mudar essa relação, fazendo com que as pessoas sintam prazer (e não culpa) em comer.

Esse método considera os aspectos emocionais, fisiológicos e sociais da alimentação. A mudança do comportamento alimentar proposta pelo método envolve estratégias de aconselhamento nutricional, técnicas do comer intuitivo, terapia cognitivo-comportamental, entrevista motivacional e táticas para comer com atenção plena.

Gere em seu paciente a mudança do comportamento em sua relação com a comida.

Nessa prática, acontece uma abordagem defendendo a real importância de entender como se come e não o que se come. Ou seja, mostrar que o foco é entender as relações envolvidas no ato de se alimentar ao invés de apenas contar calorias. Onde se come, quando, com quem, qual o sentimento, quais as dificuldades: é esse tipo de autoconhecimento que deve ser estimulado e compreendido.

Por não se basear em dietas, a melhor forma de utilizar essa estratégia para ajudar os pacientes é através da orientação nutricional e da comunicação.

Esse será o momento de informar, estimular a aceitação da alimentação saudável e também de influenciar o seu paciente. Isso pode ser feito através de mensagens positivas e ponderadas, as quais devem ser baseadas em estratégias comportamentais para terem efeito. 

Apesar da mudança de foco, o comportamento alimentar não desautoriza os critérios das abordagens tradicionais – como a busca pelo peso ideal, por exemplo. Muito pelo contrário. O propósito é que a pessoa recupere a autonomia sobre suas noções de fome e saciedade para que possa comer de maneira consciente.

Um dos pontos que o comportamento alimentar repudia é a ortorexia – uma neurose relacionada à alimentação saudável, em que as pessoas renegam a questão do prazer de comer. O mantra da nutrição comportamental é comer de tudo, mas não tudo.

A ideia é unir comportamentos alimentares adequados a uma dieta de qualidade, baseada em alimentos in natura e comida fresca e caseira, com menor presença de ultraprocessados. A chave para encontrar esse equilíbrio, segundo Figueiredo, é trabalhar o ambiente em que o paciente come.

Nutrição funcional

A estratégia da nutrição funcional consiste em montar um plano alimentar de acordo com as necessidades nutricionais de cada pessoa. Propõe-se um plano alimentar voltado não só para mudanças físicas, mas para melhorar todo o funcionamento do organismo. Ela busca reparar desequilíbrios no corpo, restaurando-o por meio da alimentação e estilo de vida e, em muitos casos, substitui até medicamentos.

Os alimentos escolhidos para o plano de consumo de uma nutrição funcional têm como objetivo agregar valor nutricional ao organismo do paciente.

Veja, abaixo, alguns pontos a serem destacados sobre essa metodologia:

  • prevenção e tratamento de doenças;
  • eliminação de toxinas indesejáveis;
  • propostas individuais.

Em tempos onde os alimentos são divididos em saudáveis e não saudáveis e a comida é vista como inimiga, conhecer um método como a nutrição comportamental — que restabelece uma relação benéfica e prazerosa com o alimento — é um diferencial. Afinal, a satisfação não pode ser desconsiderada de um processo tão essencial e frequente como a alimentação.

Diante deste cenário, o Instituto LG valoriza o profissional da nutrição auxilia sua formação em matérias que façam cada vez mais sentido para a saúde e bem-estar de seus pacientes.

Conheça nossos cursos e seja um agregador na cultura alimentar de seus futuros pacientes.

  • “Comportamento alimentar: da teoria à prática”, presencial ou on-line, duração de 10 horas. Saiba abordar e identificar os diversos comportamentos alimentares existentes e, assim, auxiliar da melhor forma seus pacientes.
  • “Nutrição materno-infantil”, presencial, 40 horas de duração divididas em módulos de 10 horas. Seja um profissional da nutrição com expertise para atender gestantes, bebês e crianças com excelência.
  • “Nutrição e oncologia”, presencial, 40 horas de duração divididas em módulos de 10 horas. Suporte ao tratamento do paciente com câncer com apoio da nutrição e prevenção por meio dos alimentos, essas são as principais vertentes desse curso.
  • “Atualização em nutrição estética: da prescrição à desconstrução de padrões”, on-line, 5 horas de duração. Aprenda a criar vínculos com seus pacientes, aumentar sua autoestima e auxiliar em distúrbios de imagem por meio da história dos padrões estéticos, além de aprender a relação entre os alimentos e nutrientes, para auxiliar nas maiores queixas de estéticas.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato pelos nossos canais de atendimento, ou deixe um comentário abaixo, será um prazer ajudar.

Deixe uma resposta